17.8 - Uma partida de Ping Pong em standby


Tropecei ao acaso nas palavras que se seguem abaixo e que fazem parte de uma partida especial de Ping Pong que ficou suspensa algures no tempo. Elas datam já de alguns anos a esta parte e ao relê-las, fiquei na dúvida se a jogada estava do meu lado do campo ou do lado do campo da pessoa que me fazia companhia nessa partida especial, pois como já se passou tanto tempo, foi quase como se tivesse sido a primeira vez que punha os olhos nessas palavras que, fora do seu contexto e da história a que dizem respeito, podem não dizer quase nada. 

"Ao pedir para falar com o Dr. Karl, a enfermeira fez uma cara de espanto, como se falar com o Dr. Karl pudesse ser uma coisa de outro mundo. Ela repetiu a minha pergunta como se não tivesse ouvido bem, pelo que respondi "sim, com o Dr. Karl".
- Lamento minha Senhora, mas infelizmente tenho más notícias para lhe dar. O Dr. Karl foi encontrado sem vida na sua vivenda. - Disse a enfermeira.
- O quê?! Oh não! - A minha reacção de surpresa não foi encenada, era verdadeira. Não que fosse igual à que eu faria se perdesse o meu irmão, mas aqui que acabara de ouvir indicava que na minha curta ausência já aconteceram coisas que eu não estava à espera e tinha quase a certeza que os Zulats estavam por detrás disso.
- Conhecia o Dr. Kark minha senhora?
- Hmmm, sim, pode-se dizer que sim. É uma perda terrível.
- Pois, lamento imenso. Talvez seja melhor aguardar aqui na sala de espera e dentro de momentos alguém irá atender-lhe. Não se esqueça que precisa de dar conhecimento da sua chegada e da sua situação no balcão da recepção. Se precisar de ajuda posso fazer isso consigo.
- Não á preciso sra. enfermeira. Eu posso fazer isso. Mas obrigado pela sua atenção.
A minha encenação de paciente não me ia servir para mais nada. Não queria a ajuda daquela enfermeira, nem tão pouco dar-lhe a minha identificação seja para o que fosse. Tive de a descartar o quanto antes e assim que desapareceu do meu alcance visual, entrando na porta que dava para a zona de entrada dos pacientes após serem chamados, levantei-me e sai dali o mais discretamente possível. A minha primeira hipótese para chegar aos Zulats foi um fracasso. Teria agora de recorrer à hipótese alternativa: ligar ao Gustav e pedir os contactos do chefe. Mas lembrei-me novamente que isso poderia trazer alguma confusão e se calhar era mais fácil ir ao velho armazém ou ao hotel e falar com alguém do grupo pessoalmente. O meu aspecto de maltratada ainda ia me servir por mais um bocado. "


Não sei se algum dia a partida terá um desfecho ou se irão haver mais jogadas, mas qualquer que seja o resultado, creio que este será sempre positivo. 



Comentários

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante