16.10 - Murakami - "Em Busca do Carneiro Selvagem" e não só



Este livro de Murakami remonta para os primeiros livros dele, e segundo alguns dizem (supostamente mais entendidos na matéria), é um livro experimentalista. Compreendo que o seja ou que assim seja considerado, pois nota-se que há aqui neste livro "as primeiras tentativas" de Murakami nos fazer viajar por mundos que nem sempre estão ao alcance da nossa realidade. Quem já leu outros livros do autor já está a par dessa sua capacidade, e basta ver que 3 anos depois desta busca do carneiro, o livro "O Impiedoso País das Maravilhas e o Fim do Mundo" é um perfeito exemplo da capacidade de misturar o real com o irreal ou o inconsciente, o mundo dos sonhos, universos de certa forma paralelos que acabam por ser uma das coisas que mais me cativam na sua escrita.

Já há muito tempo que estava para ler este livro de Murakami e apesar de não considerar o meu livro favorito dele, é um bom livro e cuja leitura se recomenda sobretudo a quem gosta dos livros deste autor. 

A história em si acaba por ganhar contornos que mais têm a ver com a busca que todos nós também fazemos, com mais ou menos intensidade consoante os momentos ou fases da nossa vida: a busca pelo significado desta vida que temos oportunidade de viver. 

Há alturas no livro que a leitura se torna mais enfadonha (quando queremos avançar na história e o autor lembra-se de fazer um flashback que atrasa o desenvolvimento da história central, ou seja, a tal busca do personagem principal) mas que acabam por ser essenciais para se perceber o contexto ou para conhecer melhor as poucas personagens do livro.

Não é de estranhar algumas situações mais insólitas que surgem aqui e acolá ao longo do livro, chegando algumas delas a serem cómicas e até mesmo ridiculas se levassemos tudo "à letra" aquando da leitura de Murakami, mas que na verdade são mais um ingrediente fundamental para esta receita ser aprovada.

Não sei se terá sido da tradução ou se no original isso também acontecia...mas não gosto nada quando surge ao longo de um livro a repetição de algumas expressões e aqui neste as que mais me chamaram a atenção foram "dê lá por onde der" e "acto contínuo"!

Fiquei por um lado satisfeito por saber que a história da personagem principal deste livro não se ficou por aqui, pois essa continua no livro Dança, Dança, Dança do autor e que será certamente uma das próximas leituras (para não perder o fio à meada).





Comentários

  1. obrigada pela dica :) estava a pensar lê-lo

    ResponderEliminar
  2. sou uma murakamiana e tenho-os todos, li-os há anos. adorei-os, excepto a peregrinação do rapaz sem cor, que achei fraquinho.

    sim, de livro para livro, ele usa as mesmas bengalas, ou semelhantes, é aborrecido constatar isso.

    talvez o after dark seja o meu preferido, o kafka à beira-mar foi o primeiro que li e depois li o resto, por isso, ele tem um lugar especial no meu coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Margarida...tambem Gostei muito do after dark. Já o li 2vezes e a segunda leitura soube-me melhor. Estou a pensar ler tambem o Cronica de um pássaro de corda...espero que seja bom. Gostei muito do Kafka à beira-mar tambem.

      Eliminar
    2. olá. grande notícia: 2 novos livros :)

      http://observador.pt/especiais/traduzo-murakami-logo-existo/

      Eliminar
    3. Ola Margarida. É realmente uma boa notícia. Assim ja poderemos ficar a par de toda a história do Rato! Obrigado pelo link, Gostei de ler.

      Eliminar
  3. Se gosta de Murakami acho que não se vai arrepender 😊.

    ResponderEliminar
  4. Tenho esse e outros para ler dele, mas tenho que estar para aí virado. O último que li "A peregrinação do rapaz sem cor" gostei muito, porque me disse algo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E acho que não te vais arrepender de os ler C. Claro que realmente temos de estar na disposição certa, caso contrário a leitura nao tem o mesmo sabor.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

17.1 - Ilusões